domingo, 17 de junho de 2012

A PRIMEIRA GRANDE LUTA DE MMA DA HISTÓRIA

Muhammad Ali queria algo gigantesco para encerrar sua carreira, após a vitória histórica sobre George Foreman no Zaire, em 1974. Não poderia ser qualquer coisa.
A ideia de luta contra o japonês Antônio Inoki supostamente surgiu em abril de 1975, quando Ali foi apresentado ao Ichiro Yada, presidente da japonesa Amateur Wrestling Association, em uma recepção em os EUA.
“Por que lutar contra um lutador e humilhar o título de boxe frente aos olhos de muitas pessoas”. Ali foi perguntado. Se o seu plano indicado para se aposentar no final do ano era verdade, sua resposta foi compreensível.” Seis milhões de dólares, por isso” o campeão respondeu.
“O que é o caratê de um homem à distância? Nada”! Disse Ali.
Ali se gabava de Ichiro Yada: “Não há qualquer lutador Oriental que vai me desafiar. Vou dar-lhe um milhão de dólares se ele ganhar”! Esta afirmação foi divulgada e trabalhada no Japão. Inoki aceitou o desafio e Ali aceitou seis milhões de dólares.
Um conjunto especial de regras tinha sido acordado para este protótipo luta artes marciais mistas. Ali usaria luvas de quatro onças, e seria capaz de qualquer agarramento ao tocar as cordas. Para Inoki poderia haver joelhadas, chutes, ou bater abaixo da cintura. Qualquer um que fosse jogado para fora do ringue teria 20 segundos para voltar dentro
Os dois estariam contestando o título de homem mais durão do planeta.
O local escolhido foi o Budokan em Tóquio, e a data, 26 de Junho de 1976.
Bob Arum tinha assinado como promotor, lembrou-se o negócio acontecendo assim:
“Vai ser um monte de diversões e é apenas uma piada. Bem, quando chegamos a Tóquio, descobrimos que ninguém estava rindo.”
De qualquer maneira, Ali não era muito empolgado com a perspectiva, enquanto ele contava a repórteres. “O cara vai vir para cima de mim eu só vou dar jabs nele, bop, bop, bop. Ele não pode chegar perto o suficiente O que há de caratê de uma certa distância a um homem? Nada. Quando eu enfrenta-lo, vou nocauteá-lo.”
Inoki era um brilhante auto publicitário, ele era tão famoso em seu país como Ali nos Estados Unidos.
Em 1976, Inoki com 33 anos, era reconhecido por sua habilidade como lutador profissional.
Na década de 1950, quando os aparelhos de televisão foram se tornando mais comuns em todo o Japão, pro-wrestling foi um dos maiores impulsionadores de audiência.
Ele era um adolescente trabalhando em uma plantação de café no Brasil, quando Rikidozan (“o pai da pureza”, mestre de lutas, incumbido de trazer ao Japão pós-guerra seu orgulho) o descobriu. “Naqueles dias, era como viver como um escravo, esforcei-me para comer, mas essa vida me deu o espírito de luta.”
Através dos anos 60, Inoki chegou ao topo da cena das lutas no Japão, e chegou a ser tão grande que em 1971 ele foi expulso da Japoneses Wrestling Association. Ele saiu em busca de pagamentos maiores e mais fama, e teve a ideia de lutas de artes marciais mistas.
Antes de conhecer Ali, Inoki já havia lutado uma luta contra o medalhista de ouro peso pesado do judô dos jogos olímpicos de Munique, Wilhelm Ruska. Inoki destruiu Ruska, golpeando-o, e em um TKO com “uma sucessão de três golpes no suplexos em volta, consecutivos”.
Dado que Inoki era um lutador profissional,  Ruska nunca sugeriu que a luta era outra coisa senão legítima, nem depois, nem qualquer outro dos 20 ou mais combatentes que lutaram na Inoki lutas de MMA ao longo dos próximos 13 anos, Ali incluídos.
As relações diplomáticas entre Estados Unidos e Japão estavam tensas, ainda sofrendo de 1971, do choque do presidente Americano Nixon, que levou o dólar dos EUA fora do padrão de ouro, causando enorme valorização do iene e arruinando o mercado de exportação japonês. Os EUA tinham abandonado o controle administrativo de Okinawa para o Japão em 1972. Era apenas o ambiente certo para um pouco de ufanismo nacionalista.
Quando Muhammad Ali pousou no aeroporto, Ali anunciou sua chegada com sua sutileza típica. Suas animadoras de torcida cortaram um caminho através do emaranhado de fotógrafos e fãs ao redor deles, berrando: “Não haverá Pearl Harbour, Muhammad Ali voltou! Não haverá Pearl Arbour”!
O tradicional ginásio do Budokan, teve seus melhores assentos no valor de mil e quinhentos dólares. A antecipação de vendas de ingressos não se limitava a Tóquio. Em Nova York estava vendendo-se ingressos.
Quando os dois homens ficaram frente a frente pela primeira vez, Ali anunciou que apelido de “pelicano” para Inoki por causa de seu queixo grande. Inoki olhou calmamente para ele e respondeu, através de um tradutor: “Quando o punho se conecta com meu queixo, tome cuidado para que seu punho não fique danificado.” Em seguida, apresentou uma enorme muleta, para se usar depois de ter sido jogado para fora do ringue. Inoki disse mais tarde: “Eu não sei quão seriamente Muhammad Ali está levando a luta, mas se ele não levar a sério, ele pode sofrer muitos danos! Estarei lá lutando. Vou quebrar seu braço.”.
Ali não tinha conhecimento de que ele próprio era objeto de manobras, mas há muitas pessoas que insistem em que seus assessores conheciam o acordo da luta, e houve uma correção a partir do momento em que assinou o acordo e que, em troca de seus seis milhões de dólares, o campeão Ali deveria perder.
O plano original, de acordo com o jornalista de boxe Jim Murphy, foi para a luta acabar com Ali jogando um soco que atingisse acidentalmente o árbitro e o nocauteasse. Ali iria se inclinar sobre o arbitro como preocupado, e enquanto ele estava distraído, Inoki iria derrubá-lo com um chute na cabeça. O árbitro, então, viria ao redor e contaria até Ali estar fora. Dessa forma, Inoki iria reivindicar a vitória, mas Ali iria salvar a face por causa de seus instintos nobres.
Só que quando Ali descobriu que tinha de perder, ele se recusou a aprovar a ideia. Os organizadores ficaram com uma luta fixada e ninguém estava preparado para lutar.
Mas de acordo com a versão Inoki da história, Ali e sua comitiva haviam assinado para a luta para ser uma exposição, em vez de uma competição real.
Foi só quando a comitiva de Ali foi ver treino de Inoki, e o observou quebrar e torcer uma série de sparings, com uma série de brutais low kicks e violentos agarramentos, que a verdade amanheceu…
“OK, então quando fazemos o ensaio?” Ali supostamente perguntou a Inoki, para obter a resposta: “Não, não Isso não é uma exposição É uma luta real!”.
Qualquer versão é correta, e nos dias que antecederam a luta nos cornes de Ali e Inoki começou-se a renegociar as regras. De repente, uma lista de restrições foi imposta a Inoki. Ele não teria permissão para jogar Ali.
As regras foram modificadas tão a sério que o combate não está era mais lutando boxe. Ali poderia agarrar ou socar o homem para baixo.
Como resultado de realizar ataques eram genuínos, o staff de Ali exigiu um novo conjunto de regras para basicamente parar Inoki de fazer muito. O staff de Ali também exigiu que nenhuma versão detalhada das regras de ser tornasse pública antes da luta.
As regras, agora tão complicadas, ficaram a ponto de ser quase incompreensíveis, não foram reveladas ao público antes da luta.
26 de junho de 1976.  A noite da luta. Ninguém sabia o que esperar quando o gongo foi tocado. O que se seguiu foram 15 rounds de puro estranhamento entre os dois gigantes.
Assim que o gongo tocou, Inoki tinha correu a distância de 16 metros entre os dois, e se atirou nos pés no Ali em um double leg. Ali evitou, Inoki perdeu a investida. Antes que os dois pudessem ficar no quadrilátero em pé, Inoki soltou outro chute, deitado, errou novamente, e caiu de costas no chão.
Inoki não se levantou. Ele estava deitado de costas aos pés de Ali e se voltar para cima.
Ali circulou cautelosamente pelo ringue Inoki caminha ao chão ao seu redor. Ocasionalmente Inoki chutava violentamente em cima dos joelhos de Ali. Ele permaneceu assim para todo o round.
Inoki tinha vindo com um plano astuto em resposta às mudanças de regras posteriores. Como poderia Ali atingi-lo se ele já estava no chão? Ali olhava perplexo, ele tentou tomar um pouco sorrateira indo por trás de Inoki, mas sempre que ele chegava perto Inoki ia para fora de seus pés.
As únicas pessoas mais confusas do que Ali estavam entre as dezenas de milhares de fãs assistindo a luta ao vivo e na tevê. Ali começou a girar ao redor do ringue, fora do alcance dos chutes de Inoki, e provocando gritando: “Inoki covarde! Inoki não faz nenhuma luta”! Por isso, Inoki continuou deitado na lona.
Ficou ruim, no quarto round, Inoki, ainda de costas no chão, prendeu Ali em um canto do ringue e começou soltando chutes descontroladamente em suas coxas. Ali saltou para as cordas e colocou suas pernas debaixo dele, gritando em frustração e descrença.
No sexto round, Ali tentou agarrar o tornozelo Inoki quando ele chutou, mas Inoki envolveu a outra perna em torno da panturrilha Ali e o derrubou para o chão. Ele, então, rolou em cima do peito de Ali e se agachou no rosto.  Não foi um grande momento na carreira de Ali…
A indignidade de Ali o estimulou, no próximo round, para soltar seus socos. O que Ali poderia fazer quando seu adversário passou seu tempo de forma segura no chão e chutando o inferno fora dele? Oque Ali podia fazer era olhar para seu inimigo, provocar ele agitando os braços, e pedindo para Inoki se levantar e “lutar como um homem”. Sem opções, a lona era muito mais segura para o lutador japonês.
No oitavo round, Angelo Dundee, o treinador de Ali, exigiu que se colocassem fitas nas pontas dos sapatos de Inoki porque um dos seus nós se soltou e foi cortando as pernas de Ali. A ferida já havia aberto sua coxa. “É uma hemorragia!” disse Dundee. O locutor gritou: “corner Ali parece preocupado”!
No décimo round Ali jogou outros socos.
No 13º round, Ali pegou mais o ritmo e jogou mais socos e estendeu a mão e agarrou o pé de Inoki. Inoki realmente disparou  Ali para a lona duas vezes. Ali subiu através das cordas e ameaçou ir para casa.
Após quinze rounds, os fãs de Inoki pensaram que ele tinha feito batatas com os americanos.  Ali pensou que Inoki estava sendo covarde. Todo mundo pensou que era um desperdício de tempo.
O público do Budokan não gostou do desenrolar da luta, pediu seu dinheiro de volta e fez sujeiras.
A luta, tal como era, foi marcado como um empate. Inoki havia tido três pontos para cima, mas, convenientemente, ele foi encaixado os três por faltas. Em teoria, o empate significava que ninguém tinha perdido, especialmente como Inoki poderia alegar que ele teria vencido se não fosse para as penalidades, enquanto que Ali poderia se defender dizendo que seu oponente tinha fugido.
Os dois lutadores, é claro, poderiam levar o consolo no fato de que eles estavam agora vários milhões de dólares mais ricos.
“Como eu poderia derrubá-lo quando ele já estava para baixo?”. Ali se queixou depois. “Eu simplesmente não conseguia acertá-lo enquanto ele estava no chão.” Inoki refutou Ali, apontando que ele tinha sido injustamente prejudicado pelas regras, que disse não resolver, sem quedas, sem golpes de caratê, sem perfurações, quando no solo.
Foi constrangedor ver Ali com o sangramento nas pernas.
Pacheco, um dos assistentes de Ali, insiste em que a mobilidade de Ali como um lutador nunca foi completamente recuperada, dos chutes que ele levou em Tóquio e uma posterior infecção adquirida das pernas.
Para Inoki, a luta fez dele um dos homens mais famosos no Japão.
Inoki começou a utilizar o The Greatest, música tema de Ali, como sua música própria assinatura, e ele tomou emprestado o slogan “bom-ba-ye” de fãs de Ali no Rumble in the Jungle (A histórica luta de Ali contra Foreman, aonde Ali adotou o bom-ba-ye, dialeto local do Zaire que significa “mate ele”). Inoki explorou repetidamente para fins comerciais, utilizando-a como título de uma canção, um filme e uma série de eventos de wrestling, temas de shows.
Em 1989, Inoki estabeleceu seu próprio partido político – o partido esporte e da paz – e foi eleito para a câmara baixa do governo japonês, continuando sua carreira de wrestling no exercício do mandato.
Inoki era, afinal, o homem que havia conquistado o maior ato frente dos olhos de todo o mundo!
38 anos depois da luta, Ali voou para encontrar Inoki. Depois de Inoki havia completado a sua vitória final, Ali subiu ao ringue e os dois homens abraçaram.
“Foi em 1976 quando eu lutei Antônio Inoki no Budokan. No ringue, fomos adversários difíceis. Depois disso, nós construímos o amor e a amizade com respeito mútuo. Então, me sinto um pouco menos solitário agora que Antônio se aposentou. É tenho a honra de estar de pé sobre o ringue com o meu bom amigo depois de 22 anos. Nosso futuro é brilhante e tem uma visão clara. Antônio Inoki e eu colocamos nossos melhores esforços em fazer a paz mundial através do esporte, para provar que a humanidade é apenas uma, além das diferenças sexuais, diferenças étnicas ou culturais. É um prazer vir aqui hoje”.
Colaboração
Marcelo Estrella:
Jornalista e Fotógrafo especializado em MMA
mmaspace

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pela sua participação seja sempre bem-vindo ao nosso blog, fique em paz.
Ossssss

Related Posts with Thumbnails